O presidente do Brasil , Jair Bolsonaro, afirmou que não sabe o que é bitcoin ( BTC ), e endossou a suspensão de um projeto que criaria uma criptografia para uso dos povos indígenas, informou a Cointelegraph Brasil em 4 de junho.

Bolsonaro apoiou a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves no encerramento de um projeto no valor de 44,9 milhões de reais (US $ 11,5 milhões) entre a Fundação Nacional do Índio (Funai) e a Universidade Federal Fluminense (UFF), que promoveu a criação de uma criptocorrência para os povos indígenas usarem. Bolsonaro fez seus comentários durante uma entrevista com o programa SBT de Ratinho em 4 de junho.

Depois de dizer que o ministro agiu corretamente ao bloquear o projeto que “queria ensinar o indiano a usar bitcoin”, o presidente foi convidado por um participante do programa se ele sabia o que era bitcoin. Bolsonaro respondeu:

“Eu não sei o que é bitcoin.”

Pouco depois do discurso, Bolsonaro retificou sua declaração e disse que o bitcoin era uma “moeda virtual”. O projeto oferecido pela Funai e pela UFF não pretende receber financiamento e apoio, nem integrar bitcoin.

Ao longo de sua carreira, Bolsonaro fez várias declarações controversas sobre os povos indígenas no Brasil e prometeu reverter as proteções em suas terras.

Como relatado anteriormente, o governo suspendeu o projeto de criptografia indígena no início de janeiro alegando que o contrato foi emitido de forma inadequada e carecia de análise técnica, como uma descrição detalhada do projeto. O contrato foi assinado diretamente entre a FUNAI e a UFF, em vez de por meio de licitação legal. Além disso, o governo disse que o contrato havia sido aprovado muito rapidamente e implicava despesas consideráveis.

No final de maio, o presidente da Câmara dos Deputados do Brasil, o deputado Rodrigo Maia, ordenou a criação de uma comissão para considerar a regulação da criptomoeda no país. A comissão será composta por 34 membros, de acordo com o Regulamento Interno da Câmara.