Petróleo

Produção doméstica de petróleo encolhe 4% em 11 meses

produção nacional de petróleo bruto encolheu 4% nos onze meses até fevereiro, em relação ao mesmo período do ano passado, continuando a tendência de queda do sétimo ano fiscal consecutivo e aumentando a dependência da Índia em relação às importações. 

As importações atingiram 83,8 por cento das necessidades locais de petróleo durante abril-fevereiro de 2018-19, acima dos 75,9 por cento em 2011-12. A produção local começou a cair em 2012-13 e diminuiu a cada ano, uma vez que, apesar dos bilhões de dólares de investimentos em sustentar a produção de campos envelhecidos e encontrar novas fontes de petróleo. 

No início de 2015, o Primeiro Ministro Narendra Modidefiniu uma meta de cortar a dependência das importações para 67% até 2022. Após isso, o governo elaborou um plano para elevar a produção local e expandir o uso de substitutos como o gás natural e os biocombustíveis para reduzir as importações. As medidas oficiais ainda estão para mostrar muito impacto. 

Durante abril-fevereiro deste ano fiscal, a produção nacional de petróleo caiu para 31,35 milhões de toneladas métricas (MMT), uma queda de 4% em relação ao mesmo período do ano passado. A ONGC, maior produtora de petróleo do país, viu a produção de petróleo cair 5,4%, enquanto a produção do petróleo da Índia recuou 2,6%. Os campos operados por jogadores privados também reportaram uma produção 1,3% menor.

No coração do problema estão os campos esgotados e a incapacidade das empresas de fazer grandes descobertas de petróleo por anos que poderiam alterar substancialmente o perfil de produção do país.

Os problemas operacionais, como a falta de equipamentos, vazamentos submarinos em algumas linhas de fluidos dos campos de Mumbai High e Neelam Heera e o baixo desempenho em alguns campos de Gujarat contribuíram para a redução da produção pela ONGC, informou o relatório mensal de produção do Ministério do Petróleo. Poços de baixo desempenho foram responsabilizados pela menor produção de óleo. 

A atualização atrasada do Terminal de Mangala, o atraso na perfuração e o fechamento de quase 100 poços devido à restrição de manuseio de líquidos no terminal e outras limitações técnicas afetaram a produção no prolífico bloco Barmer da Vedanta, no Rajastão, conforme o relatório oficial.

As importações de petróleo bruto subiram 2,6% durante abril de 2018 a fevereiro de 2019 em relação ao ano anterior. A importação de derivados de petróleo diminuiu 6,5% durante o mesmo período, principalmente devido às menores importações de diesel e coque de petróleo, um combustível sujo que está sendo desencorajado no país. As exportações de derivados de petróleo caíram 9,7% no período de abril de 2018 a fevereiro de 2019, devido às menores exportações de petróleo, nafta, diesel e óleo combustível.

Voltar ao Topo