Óleo e Gás

Projeto de águas profundas de US$ 5,7 bilhões ganha aprovação da Chevron

A Chevron Corp. informou na quinta-feira que sancionou o projeto Anchor no Golfo do México (GOM), acrescentando que a Anchor representa o primeiro desenvolvimento de alta pressão em águas profundas do setor a obter uma decisão final de investimento (FID).

“Esta decisão reforça o compromisso da Chevron com a classe de ativos em águas profundas”, comentou Jay Johnson, vice-presidente executivo da Chevron para a Upstream, em um comunicado por e-mail enviado à Rigzone. “Esperamos continuar criando valor para os acionistas, entregando projetos de desenvolvimento autônomos e vínculos submarinos a um custo competitivo”.

A Chevron observou que custará aproximadamente US $ 5,7 bilhões para desenvolver a fase inicial do Anchor Field, localizado na área de Green Canyon, a cerca de 225 milhas da costa da Louisiana, a uma profundidade de água de aproximadamente 1.524 metros. A empresa afirmou que o estágio 1 do projeto Anchor incluirá um desenvolvimento submarino de sete poços e uma unidade de produção flutuante semi-submersível (FPU).

De acordo com a Chevron, cuja subsidiária da Chevron USA, Inc. operará a Anchor e possui 62,86% de participação no projeto, o total estimado de recursos equivalentes a petróleo potencialmente recuperáveis ​​estimados em campo excede 440 milhões de barris. A instalação de produção planejada no Estágio 1 terá uma capacidade diária de projeto de 75.000 barris de petróleo bruto e 28 milhões de pés cúbicos de gás natural, acrescentou a empresa. A Total E&P USA, Inc. detém os 37,14% restantes da Anchor, que deve atingir o primeiro petróleo em 2024.

Steve Green, presidente do segmento de Exploração e Produção da Chevron na América do Norte, afirmou que a empresa reduziu em quase um terço os custos de desenvolvimento de novos projetos no Golfo do México.

“Estamos fazendo isso padronizando equipamentos, utilizando instalações de superfície adequadas para o propósito que requerem menos capital e empregando brocas para preencher estratégias”, ressaltou Green. “Na Anchor, simplificamos nossa fase de engenharia e design de front-end e estamos utilizando mais padrões do setor em nossos projetos e equipamentos para reduzir custos, mantendo a Excelência Operacional”.

A Total declarou que a Anchor será o primeiro desenvolvimento a aplicar tecnologias de alta pressão de 20.000 libras por polegada quadrada (psi) recentemente desenvolvidas. Além disso, a empresa afirmou que detém interesses com a Chevron em outros arrendamentos nas proximidades com potencial de exploração. Observou que quaisquer descobertas sobre esses arrendamentos em conjunto poderiam ser vinculadas às instalações da Anchor a custos competitivos.

A Total também informou que desenvolverá outra descoberta offshore da Louisiana – North Platte em quatro blocos de Garden Banks – usando tecnologia de 20.000 psi. A empresa anunciou na quinta-feira que o projeto de engenharia front-end (FEED) foi lançado para North Platte, localizado a 275 quilômetros da costa, em aproximadamente 4.265 (1.300 metros) de água.

O plano de desenvolvimento de campo de North Platte incorpora oito poços submarinos e duas bases de perfuração submarinas conectadas através de dois ciclos de produção a uma FPU leve e nova, afirmou Total, que opera a North Platte e possui uma participação de 60% no desenvolvimento. A empresa acrescentou que as redes submarinas existentes transportarão a produção de petróleo da North Platte – que deve atingir o platô a uma média de 75.000 barris por dia. A Equinor detém os 40% restantes de participação no projeto.

“O FID para a Anchor e a decisão de lançar o FEED para North Platte são exemplos tangíveis de nossa estratégia para aumentar nossa presença no Golfo do México em águas profundas”, comentou Arnaud Breuillac, presidente da Total para exploração e produção. “O projeto Anchor se beneficia de reservas com vantagens, permitindo um desenvolvimento independente a um custo competitivo”.

Breuillac também observou que North Platte representa um marco para a Total: seu retorno à região como operadora.

“Estamos buscando uma decisão final de investimento em 2021”, disse ele em relação a North Platte. “Esses dois projetos de alta pressão de 20.000 psi ajudarão a liberar o potencial da área central do Golfo do México, onde a Total tem uma forte presença.”

Voltar ao Topo