Offshore

Saipem recebe contratos de US $ 190 milhões para novos projetos offshore

A Saipem garantiu novos contratos no valor de aproximadamente US $ 190 milhões em Engenharia e Construção Offshore de Perfuração e Offshore (E & C).

Em Offshore Drilling, o contrato envolve a sonda semi-submersível da sexta geração, Scarabeo 8, que é adequada para ambientes hostis e adversos.

Para ser realizado offshore na Noruega, as atividades de perfuração do projeto continuarão por aproximadamente dez meses, excluindo as opções.

Concedido pela Norske Shell, o primeiro contrato refere-se ao desenvolvimento de um poço opcional em relação ao contrato anteriormente atribuído e anunciado em dezembro do ano passado.

O segundo contrato, que foi concedido pela Total E & P Norge, incluirá a perfuração de um poço em continuidade direta com a conclusão das operações realizadas para a Norske Shell.

“Através dos novos prêmios em offshore E & C, a Saipem está reforçando ainda mais sua presença e sólida expertise em um negócio estratégico como o descomissionamento”.

Além disso, a Saipem finalizou outro contrato com a Aker BP para a perfuração de quatro poços, com a previsão de perfuração de dois poços opcionais.

No setor offshore de E & C, a empresa garantiu um projeto da ConocoPhillips para descomissionamento no setor do Reino Unido no Mar do Norte.

A Saipem recebeu outro novo contrato da Aramco Gulf Operations Company (AGOC) e Kuwait Gulf Oil Company (KGOC), operando conjuntamente como Al Khafji Joint Operations (KJO), para engenharia, construção, instalação offshore e comissionamento de uma nova linha de transmissão no Golfo Pérsico.

O diretor executivo da Saipem, Stefano Cao, afirmou: “Os novos contratos de perfuração offshore confirmam a estratégia da companhia nesse segmento, visando consolidar relacionamentos, inclusive com novos clientes, enquanto se aguarda uma nova recuperação desse mercado.

“Além disso, através dos novos prêmios em offshore E & C, a Saipem está reforçando ainda mais sua presença e sólida expertise em um negócio estratégico como o descomissionamento”.

Voltar ao Topo