Petróleo

Saudi Aramco confirma retomada de produção após ataque

Saudi Aramco confirma retomada de produção após ataque

O presidente executivo da Saudi Aramco, Ibrahim Al-Buainain, confirmou nesta última segunda-feira (30), que a companhia saudita retomou sua produção total de petróleo, voltando ao nível registrado antes dos ataques às instalações em 14 de setembro.

Segundo autoridades do país, os sauditas conseguiram manter o fornecimento utilizando o petróleo das suas reservas e ofertando tipos diferentes da commodity, provenientes de outros campos.

Foi dessa forma que, mesmo com os saltos do petróleo, incêndios e danos que atrapalharam o processo de produção petrolífera, a capacidade conseguiu ser restaurada para seu nível “alvo” em 25 de setembro.

A Saudi Aramco

Saudi Aramco , oficialmente Saudi Arabian Oil Company, anteriormente conhecida como Aramco (Arabian-American Oil Company) é a companhia petrolífera estatal saudita e a maior companhia do ramo do mundo em termos de reservas de óleo cru e de produção. O valor da Saudi Aramco foi estimado em até 2 trilhões de dólares dos EUA no Financial Times, o que a torna a empresa mais valiosa do mundo. [2][3][4]

Baseada em Dhahran, a Saudi Aramco opera também a maior rede mundial de hidrocarbonetos, a Master Gas System. Formalmente, é conhecida como Aramco, acrónimo em inglês de Companhia Petrolífera Américo-saudita. Khalid A. Al-Falih é o presidente da multinacional saudita.

Desde suas capacidades upstream comprovadas e nossa rede downstream global estrategicamente integrada, até as tecnologias de sustentabilidade de ponta e suas principais capacidades organizacionais, a empresa cria um mecanismo de valor insuperável que os colocam em uma categoria própria. A empresa acredita no poder da energia para transformar vidas, melhorar comunidades, avançar o progresso humano e sustentar nosso planeta.

À medida que suas operações comerciais se expandem, o mesmo ocorre com as iniciativas que tomam para garantir que deixem um legado duradouro de proteger o planeta em que todos habitamos.

 

Voltar ao Topo