Offshore

SBM Offshore encerra caso legado no Brasil

A operadora holandesa de FPSO, SBM Offshore, confirmou um encerramento formal de seu caso legado no Brasil relacionado a questões de suborno legado no Brasil.

De acordo com o comunicado da SBM Offshore na quarta-feira, a empresa recebeu uma notificação de que o Tribunal Federal encerrou formalmente a Ação Improbidade movida pelo Ministério Público Federal (MPF) em 2017.

Essa aprovação torna efetivo o Acordo de Leniência entre o MPF e a SBM Offshore, que compreende um acordo final de BRL 200 milhões (US $ 48,8M), que será pago à Petrobras.

A SBM Offshore chegou a um acordo com o promotor brasileiro, segundo o qual o promotor se absteria de iniciar novos processos legais contra a empresa relacionados a questões de suborno legado no Brasil em setembro de 2018.

O acordo significava que a empresa também havia alcançado um acordo final com o MPF por supostas práticas de vendas impróprias antes de 2012, além do que foi feito com as autoridades brasileiras e a Petrobras.

Como em todos os acordos assinados pelo MPF, o acordo estava sujeito à aprovação da Quinta Secção do MPF.

De acordo com o contrato, o MPF se comprometeu a abster-se de iniciar novos processos legais contra a empresa nos termos da Lei de Improbidade, Lei Anticorrupção e Lei de Compras Públicas em relação às questões herdadas no Brasil.

O MPF e a empresa solicitaram conjuntamente ao tribunal que encerrasse formalmente a Ação Improbidade movida pelo MPF em 2017, incluindo a medida provisória associada para garantir o pagamento de possíveis danos.

O contrato previa – além dos valores acordados no acordo de leniência – o pagamento de uma multa adicional pela SBM Offshore no valor de BRL 200 milhões. A multa adicional seria paga à Petrobras em parcelas: pagamento antecipado de BRL 60 milhões, com sete parcelas de BRL 20 milhões a partir de então.

Esse contrato adicional elevou o valor total da provisão estabelecida pela empresa em relação a questões herdadas no Brasil de US $ 299 milhões para US $ 347 milhões.

Voltar ao Topo