Siderúrgica

Siderúrgicas se beneficiarão da situação macroeconômica brasileira em 2019

As siderúrgicas brasileiras devem se beneficiar em 2019 da estabilidade nos indicadores macroeconômicos do país, do crescimento do setor automotivo e de uma melhoria nos inícios de habitação, segundo um relatório da Moody’s Investors Service. A estabilidade dos indicadores macroeconômicos do Brasil vai apoiar o crescimento das principais indústrias consumidoras de aço, enquanto um real mais forte ajudará a aliviar os custos das matérias-primas, como o minério de ferro, disse Moody’s em uma perspectiva de 2019, prevendo uma recuperação moderada na demanda por aço . Ele disse que “O crescimento é provável, apesar do risco de incerteza política sob um novo governo, acrescentando que haverá mais oportunidades como resultado de maior investimento em infraestrutura / construção pesada em meio a um melhor ambiente de negócios no Brasil”.

A agência de classificação de crédito vê uma relação de preço de importação mais favorável e uma baixa ameaça de crescimento significativo nas importações de aço como outros fatores positivos. 

No entanto, a Moody’s prevê que as exportações brasileiras de aço permanecerão baixas devido ao aumento do protecionismo dos EUA, além da “maior competição de outros países produtores, como China e Turquia”. 

A Moody’s vê a qualidade de crédito da Gerdau melhorando e se beneficiando de escala, diversificação e flexibilidade financeira, enquanto o desempenho operacional da Usiminas deverá continuar forte em 2019 “com base nos esforços de redução de custos” e “recuperação na indústria automotiva”, disse Moody’s no relatório. .

No entanto, uma melhoria na qualidade de crédito da CSN é dependente de mais vendas de ativos, ou outros esforços para melhorar a estrutura de capital, reduzir os riscos de liquidez de curto prazo.

Voltar ao Topo