Notícias

Turquia decide não impor tarifas sobre as importações de aço do Brasil

Turquia decide não impor tarifas sobre as importações de aço do Brasil

A Turquia decidiu não impor tarifas sobre as importações de aço do Brasil depois de concluir uma investigação sobre uma disputa entre os dois países, disseram na sexta-feira o Ministério da Economia e o Ministério das Relações Exteriores do Brasil.

“Este é um resultado importante para as relações econômicas e comerciais entre o Brasil e a Turquia, porque a decisão envolve um setor de grande importância para os dois países”, disseram os dois ministérios em um comunicado conjunto.

Em 2016 e 2017, as exportações brasileiras de produtos siderúrgicos para a Turquia foram em média de 400.000 toneladas por ano, segundo o comunicado. Segundo o Instituto Aço Brasil, as exportações totais foram de 13,4 milhões de toneladas em 2016 e de 15,3 milhões de toneladas em 2017.

No ano passado, a indústria siderúrgica brasileira, incluindo a Gerdau SA, a Cia Siderurgica Nacional e a Usinas Siderúrgicas de Minas Gerais SA, obtiveram uma isenção permanente das tarifas de aço dos EUA. (Reportagem de Jamie McGeever e Marcela Ayres Edição de Susan Thomas).

Ainda em março a Presidência dos Estados Unidos passou a aplicar tarifas sobre as importações de aço (25%) e de alumínio (10%) em 23 de março. México e Canadá ficaram livres da taxação, em virtude da renegociação em curso sobre o Tratado de Livre Comércio da América do Norte (Nafta). Enquanto isso, o Brasil e outros países foram temporariamente isentos, até 30 de abril deste ano.

Segundo o coordenador de Relações Econômicas Internacionais da Dinte e autor da nota, Fernando J. Ribeiro, isso significa que, nesse meio tempo, negociações bilaterais serão conduzidas. Para ele, tais medidas do governo norte-americano trazem um grande desafio para a política comercial de todos os países do mundo.

De acordo com simulações realizadas na pesquisa, a perda de exportações do setor de aço do Brasil seria da ordem de 13%, o que significaria uma redução de cerca de US$ 350 milhões frente ao nível registrado em 2017. A nota técnica mostra ainda que, com relação ao alumínio, as exportações brasileiras para os EUA dos produtos incluídos na taxação norte-americana somaram US$ 61,8 milhões em 2017, sendo US$ 47,2 milhões de produtos de alumínio e US$ 14,6 milhões de alumínio primário.

Voltar ao Topo