Empregos

Uma superpotência de minério de ferro acaba de alertar que os preços vão se aquecer

O minério de ferro cairá de volta para os US $ 60 a tonelada em 2020, uma vez que a retomada do suprimento facilita uma crise global, alertou o maior exportador do mundo, alertando os investidores de que a queda esperada não será imediata.

Os preços ficarão em média US $ 63 no próximo ano, com a recuperação global da mina após interrupções no Brasil e nos contratos de produção de aço da China, informou o governo australiano em um relatório trimestral. Embora esteja ligeiramente acima da previsão de setembro, representa uma queda de 21% em relação à média deste ano, afirmou.

O minério de ferro passou por um ano tumultuado, com as dificuldades no fornecimento no Brasil e na Austrália provocando uma alta para mais de US $ 120 em julho, antes que os preços caíssem quando as exportações subissem e depois passassem para os US $ 90 este mês. A Austrália se une a outras pessoas para sinalizar que, embora a recente subida não esteja em risco de um colapso iminente, é provável que haja um recuo significativo ao longo de todo o curso de 2020. “As crises de reabastecimento pelas siderúrgicas chinesas ajudaram a suportar o preço globalmente. a oferta se recupera constantemente ”, disse o Departamento de Indústria, Inovação e Ciência, acrescentando que os preços provavelmente não recuarão muito no curto prazo, pois o mercado continua apertado. Prevê-se que, em 2020, o minério de ferro caia à medida que a oferta marítima se recupere ainda mais e a produção de aço da China caia, afirmou.

Preços mais baixos reduziriam a receita e a receita das principais mineradoras do país, incluindo o BHP Group, o Rio Tinto Group e o Fortescue Metals Group Ltd, embora suas margens na produção da matéria-prima continuem substanciais.

O departamento prevê que os preços estendam declínios em 2021, com média de US $ 60,50. Suas projeções referem-se a minério spot com 62% de ferro, a bordo da Austrália. O minério spot de referência desembarcado na China ficou em US $ 92,55 na quarta-feira, enquanto na quinta-feira os futuros em Cingapura foram pouco alterados em US $ 91,59.

A visão da Austrália faz eco das previsões recentes dos principais bancos. O Citigroup Inc. espera que o minério de ferro caia em 2020, embora um declínio significativo nos estoques este ano e os desafios em torno da recuperação do suprimento no Brasil signifiquem que um colapso repentino não seja provável. O Morgan Stanley disse que os preços podem permanecer elevados no início de 2020, mas caem ao longo do ano à medida que a tensão diminui, com o minério de ferro a commodity menos favorecida em 12 meses.

O fornecimento marítimo global deve crescer 3,6% em 2020, após encolher este ano devido a problemas de fornecimento no Brasil, de acordo com o relatório australiano. As exportações do país da América do Sul aumentarão 7,4% no próximo ano, enquanto as exportações da Austrália aumentarão 3,7%. As importações chinesas ficarão em 1,06 bilhões de toneladas em 2020 e crescerão 5,5% em 2021, informou o relatório. A produção de aço bruto do país cairá 1,2% no próximo ano, com o consumo caindo 2,3%. A indústria siderúrgica tem enfrentado ventos contrários à desaceleração da produção automobilística e à incerteza persistente em torno da economia global, afirmou. Em outras previsões de aço e minério de ferro.

O prêmio pelo minério de alta qualidade diminuiu nos últimos meses, possivelmente refletindo uma tentativa das usinas chinesas de reduzir custos. No entanto, é provável que a produção permaneça elevada, com alta produção de aço na maioria das instalações e cortes de produção no inverno provavelmente modestos.

O uso de sucata pela China diminuiu nos últimos meses, com a queda dos preços do minério de ferro e as baixas margens do aço, levando uma mudança de volta para o ferro-gusa mais barato e os minérios de menor teor. A China continua a financiar infraestrutura para coletar e processar sucata, mas o consumo ainda não é generalizado.

A Índia se tornou um ator essencial na produção global de aço nos últimos cinco anos, apesar de enfrentar uma série de desafios, incluindo margens apertadas, ampla oferta internacional, desaceleração econômica doméstica e tensões comerciais globais. A produção no curto prazo também pode ser interrompida pelo vencimento dos arrendamentos de mineração em março de 2020.

Voltar ao Topo