Usina

Usiminas reverte prejuízo e tem lucro de R$ 171 milhões no trimestre

A Usiminas obteve lucro líquido consolidado de R$ 171 milhões no segundo trimestre de 2019, revertendo um prejuízo de R$ 19 milhões apurados no mesmo período de 2018. Segundo a companhia, a melhora nos preços do minério de ferro que ocorreu desde o início do ano fez com que a receita líquida saltasse 15%, chegando a R$ 3,69 bilhões.

O lucro atribuído aos acionistas foi de R$ 131,2 milhões no segundo trimestre, revertendo um prejuízo apurado no mesmo período do ano passado. Já o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) somou R$ 570 milhões, um aumento de 15% no segundo trimestre.Os lucros de R$ 171,2 milhões e de R$ 131,2 milhões bem como a receita de R$ 3,69 bilhões são os maiores registrados desde 2011, início da série histórica.

A produção de aço foi 2% maior entre abril e junho, ante um ano antes, chegando a 833 milhões de toneladas. Já a fabricação de laminados atingiu 1,1 milhão de toneladas, o que apresentou alta de 4% no período.

A produção de minério de ferro, o grande impulsionador da companhia no trimestre, foi de 1,77 milhão de toneladas, alta de 28% em relação a um ano antes.  A Usiminas investiu R$ 105 milhões no segundo trimestre deste ano, com os recursos aplicados, principalmente, em “segurança e meio ambiente, sendo 75% na unidade de siderurgia, 22% na unidade de  transformação do aço e 1% na unidade de bens de capital, aproximadamente.”

A companhia chegou ao fim do trimestre com um caixa de R$ 1,2 bilhão, segundo informações do balanço financeiro. Já o capital de giro ficou em R$ 4,2 bilhões.

A Usiminas reduziu suas projeções de investimento para 2019, de R$ 1 bilhão para R$ 800 milhões. A companhia também revisou sua expectativa para despesas financeiras líquidas e espera agora que somem R$ 387 milhões neste ano. Nas projeções mais atuais, disponíveis no formulário de referência da companhia, a estimativa era de despesas de R$ 421 milhões.

Em fato relevante, a Usiminas ressaltou que as projeções são mera provisões e refletem as atuais expectativas da administração, que dependem de fatores e condições de mercado que escapam do controle.

 

 

 

Voltar ao Topo