Notícias

Vale pagará US $ 107 milhões para os afetados no desastre da barragem

Vale pagará US $ 107 milhões para os afetados no desastre da barragem

A Vale SA VALE anunciou que pagaria 400 milhões de reais (US $ 106,52 milhões) como compensação aos trabalhadores impactados pela ruptura da barragem de rejeitos de Brumadinho em janeiro, de acordo com relatórios. Também compreende a indenização individual por danos morais e materiais, incluindo estabilidade no emprego e outros benefícios.

Em 25 de janeiro de 2019, uma barragem de rejeitos falhou na mina de Córrego do Feijão, na cidade de Brumadinho, estado de Minas Gerais. O fracasso da barragem matou cerca de 300 pessoas e também causou uma grande propriedade e danos ambientais na região.

No início de junho, a Vale havia informado que desde a quebra da barragem I da mina de Córrego do Feijão em Brumadinho, Minas Gerais, a empresa pagou uma indenização emergencial para cerca de 100 mil moradores do município e região. Desde então, a empresa vem trabalhando no sentido de reparar danos com iniciativas que incluem indenizações, doações a órgãos públicos e pessoas impactadas, assistência médica e psicológica, compra de medicamentos, entre outros serviços. No total, foram investidos R $ 1,5 bilhão em serviços ambientais, materiais de saúde, transporte e outros custos logísticos.

Além disso, em junho, a Vale anunciou que planeja gastar R $ 1,8 bilhão (US $ 471 milhões) até 2023 em vários projetos para estabilizar as estruturas remanescentes na mina de Córrego do Feijão. Outros projetos incluem a redução do fluxo de rejeitos no rio Paraopeba, garantindo o descarte adequado de rejeitos e a reconstrução de instalações públicas. Os projetos devem gerar cerca de 2.500 empregos. Do total, cerca de R $ 400 milhões a R $ 500 milhões (US $ 104,7 milhões a US $ 130,9 milhões) estão destinados a serem gastos neste ano. A Vale também está ativamente envolvida na reconstrução de infraestrutura e instalações públicas das comunidades afetadas.

A empresa também anunciou que retomará as operações de processamento a úmido na mina de Brucutu, pois o Superior Tribunal de Justiça anulou uma decisão judicial anterior que suspendeu o processamento na mina devido a preocupações com a segurança de uma barragem próxima. Após o acidente, a mina de Brucutu da Vale produz minério de ferro a uma taxa anual de 10 Mt, o que corresponde a um terço de sua capacidade total de produção.

A Vale já havia fornecido orientação de vendas de minério de ferro e pelotas na faixa de 307-332 Mt para o ano fiscal de 2019. A empresa agora espera que o volume de vendas atual esteja no ponto médio da faixa. Anteriormente, havia previsto o volume de vendas entre a parte inferior e o meio do intervalo.

Após o desastre da barragem, a Vale suspendeu várias operações, o que impactou a produção anualizada de minério de ferro da empresa em cerca de 92,8 Mt. Consequentemente, as receitas no ano fiscal de 2019 serão menores. Além disso, como resultado das operações suspensas, a Vale pode ter que comprar minério de ferro e pelotas de minério de ferro do mercado para cumprir suas obrigações sob os contratos comerciais existentes, o que pode levar a custos mais altos. A empresa pode ter que fazer investimentos ou ajustes em operações não afetadas pela falha da barragem para aumentar a produção, mitigar o impacto de operações suspensas ou cumprir requisitos de segurança adicionais. Pode também ter que utilizar métodos alternativos de descarte para continuar operando algumas de suas minas e usinas, particularmente aquelas que dependem de barragens de rejeitos que podem exigir investimentos de capital significativos em minas e usinas.

Apesar das restrições de produção, a empresa continua empenhada em fornecer as maiores margens possíveis, gerenciando uma extensa cadeia de suprimentos e um portfólio flexível de produtos. Também está focado na melhoria da qualidade e produtividade, controlando custos, fortalecendo a infraestrutura logística.

A quebra da barragem de Brumadinho e os consequentes fechamentos de capacidade e o ciclone Verônica, na Austrália, impactaram negativamente a oferta de minério de ferro. Isso levou a temores de uma crise de oferta, que por sua vez ajudou o aumento nos preços do minério de ferro. Embora a produção da Vale tenha diminuído devido ao desastre, ela acabará se beneficiando do aumento nos preços do minério de ferro.

Voltar ao Topo