Notícias

Vale perde R $ 71 bilhões em valor de mercado após a ruptura da barragem

A gigante do setor ferro, Vale, registrou nesta segunda-feira a maior queda no valor das ações em um único dia de sua história, caindo 24,52 por cento durante as negociações e perdendo R $ 71 bilhões (aproximadamente US $ 19 bilhões) em valor de mercado. A empresa também foi rebaixada por agências de risco depois que uma de suas barragens quebrou na tarde de sexta-feira.

“Esses rebaixamentos refletem a expectativa da Fitch de que a empresa incorrerá em pesados ​​custos de reparação como resultado desse acidente que resultou em dezesseis mortes confirmadas e mais de 300 pessoas desaparecidas, causou danos ambientais generalizados e destruiu propriedades”, disse o comunicado divulgado pela Fitch na segunda-feira. depois de cortar os ratings da Vale de BBB + para BBB-, um nível acima do status de lixo.

De acordo com a agência de risco, há a expectativa de que as multas monetárias serão substanciais, já que este acidente de mineração ocorreu aproximadamente três anos após o colapso de outra barragem na joint venture de mineração da empresa, a Samarco.

Segundo o jornal Valor Econômico, vários bancos e instituições financeiras estrangeiras já cortaram suas recomendações para os ativos da companhia, incluindo Jefferies, HSBC, BMO e Macquarie.

O colapso das ações da Vale e de sua holding, a Bradespar, levou o Índice Bovespa a fechar em 2,29%, a 95.604 pontos.

A queda no índice foi impulsionada pela forte desvalorização da Vale e de sua holding, a Bradespar, que caiu 24,52% e 24,49%, respectivamente.

Outras empresas ligadas ao setor de mineração também registraram perdas no mercado de ações, como a CSN (-5,69%), a Petrobras ON (-3,53%) e a Gerdau (-3,32%).

Na segunda-feira, a Vale anunciou que doará R $ 100.000 para as famílias de cada pessoa desaparecida ou confirmou a fatalidade, independentemente de serem ou não funcionários da Vale.

“Isso não tem nada a ver com a indenização, que precisa ser resolvida em conjunto com as autoridades”, disse o diretor executivo de Finanças e Relações com Investidores, Luciano Siani Pires.

Voltar ao Topo