Petróleo

Venda de ativos da Petrobras na Bahia pode gerar crescimento

A desmobilização da Torre Pituba, sede da Petrobras, que já começou,  continua causando polêmica.  Segundo o Sindicato dos Petroleiros  da Bahia – Sindipetro- Ba a transferência da  sede vai causar prejuízos a Bahia. Porém, o empresário e  ex- presidente da Associação Comercial da Bahia, Adari Oliveira, ligado a área industrial, explicou que a venda de ativos da empresa não terá nenhum ponto negativo para o estado. Segundo ele, a venda da estatal pode fazer o negócio de petróleo na Bahia crescer.

“Eu vejo como positiva essa venda de ativos da Petrobrás. Hoje, existem 20 empresas interessadas em atuar nas refinarias da Bahia sendo três gigantes do petróleo. A Petrochina e a Sinopec Services Saudi Arabia são exemplos de empresas que já pediram informações sobre a Petrobrás. Então o segmento na Bahia só tem a crescer se uma dessas empresas entrarem no estado”, explicou o ex-presidente.

Temadri – Adary também levantou a questão do porto de Madre de Deus. Hoje apenas a Petrobrás atua nele. Caso outra empresa assuma existe uma possibilidade do porto ser melhor aproveitado. “O Temadri tem capacidade de movimentação de R$ 20 milhões de toneladas por ano, o porto de Salvador R$ 3 milhões e o de Aratu R$ 6 milhões. Então caso uma nova empresa assuma seria um novo porto gigantesco no estado. Imaginado que essa nova empresa ainda vai reformar o porto vamos ampliar os negócios de petróleo na Bahia”.

Campos Maduros – O presidente também afirma que a venda de ativos da Petrobrás vai fazer com que as 26 empresas que trabalham nessa área na Bahia possam ampliar seus negócios. “Nós vamos possibilitar que as empresas que trabalharam nessa área na Bahia possam ampliar seus negócios já que hoje essa área está concentrada na Petrobrás”.

Voltar ao Topo