Energia

Vestas fecha em 1GW para V150 no Brasil após acordo EDF

A Vestas está fechando em 1GW de pedidos para seus 4.2MW, V150 no Brasil nos sete meses desde que a plataforma foi lançada lá, disse o OEM dinamarquês.

O último acordo para a V150 ocorreu quando a EDF Renewables, da França, encomendou 35 turbinas para seu parque eólico de 147 MW, da Folha Larga.

“Este é o modelo de turbina eólica mais bem-sucedido de todos os tempos no Brasil”, afirmou Rogério Zampronha, diretor geral da Vestas para o Brasil e o sul da América Latina. “Com outras encomendas em negociações, chegaremos a 1 GW: nenhuma outra máquina vendeu tanto, tão rápido”, disse ele à Recharge .

A Vestas possui 1,5GW de capacidade instalada no Brasil, respondendo por cerca de 10% do total de 15GW do Brasil, e está entre as líderes das seis OEMs que possuem fábricas no país.

A montadora dinamarquesa anunciou planos para montar e vender a máquina V150 no Brasil em outubro do ano passado, já que o acúmulo de V110s menores que ela vinha produzindo no país estava diminuindo. Na época, a indústria eólica brasileira começou a atualizar suas linhas de montagem de uma média de 2MW para 3MW ou 4MW, em meio a uma corrida para aumentar a capacidade nominal das turbinas e expandir fábricas para atender às exigentes políticas de conteúdo local do país.

O sucesso da V150, de 4,2MW, veio quando a feira Brazil Windpower deste ano viu a rival Siemens Gamesa, a Nordex Group e a GE anunciarem planos de vender máquinas com 5MW ou mais no país. Mas Zampronha ficou indiferente e disse: “Nós entregamos todas as ordens do V110 e agora produzimos apenas o V150”.

Com investimento de 23 milhões de euros (US $ 26 milhões), a Zampronha diz que a Vestas dobrará o tamanho da fábrica de montagem de nacele da OEM localizada no nordeste do Ceará para produzir a máquina, enquanto a cadeia de fornecimento também foi atualizada. A fabricante local de lâminas, a Aeris, por exemplo, também está expandindo sua fábrica para produzir a lâmina de 74 metros para a V150.

Nas próximas semanas, a Vestas espera receber o credenciamento de conteúdo local para o V150 do Banco Nacional de Desenvolvimento, e as primeiras máquinas devem ser entregues até meados de 2021.

Voltar ao Topo